Sunday, December 26, 2010

De férias em São Paulo

Até dia 31 de dezembro.


Eu venho para São Paulo a cada um ou dois anos.


É impressionante como a cidade parece mais próspera do que em 1995 quando eu a deixei.


A melhoria no transporte urbano é algo impressionante, da limpeza e conservação dos ônibus e metrôs até a integração do metrô com os trens urbanos.


A qualidade das habitações populares também melhorou consideravelmente. Os prédios mais novos do CDHU devem pouco a muitos edifícios de classe média. Imagino que o partido que governa São Paulo deve ter usado seu tempo no horário eleitoral para mostrar ao resto do Brasil a qualidade das moradias que o governo de São Paulo provê para os pobres em São Paulo.


Mas enquanto o poder público tem feito sua parte, é triste andar nas ruas do Itaim Bibi olhando para o chão para desviar dos cocôs de cachorro.

Tuesday, December 14, 2010

28 months later!

28 Months Later: How Inflation Targeters Outperformed Their Peers in the Great Recession

Coming soon!


Twenty-eight months after the onset of the global financial crisis of August 2008, the evidence on post-crisis GDP growth emerging from a sample of 51 advanced and emerging countries is flattering for inflation targeting countries relative to their peers. The positive effect of IT is not explained away by other variables considered in the related literature, such as short-term external debt to GDP, the post-crisis growth performance of trading partners, changes in terms of trade, pre-crisis growth in private credit, and the pre-crisis current account balance. We find that inflation targeting countries lowered nominal and real interest rates more sharply than other countries; were less likely to face deflation scares; and had sharp real depreciations without a relative deterioration in their risk assessment by markets. While the task of establishing causal relationships from cross-sectional macroeconomics series is daunting, our reading of this evidence is consistent with the resilience of IT countries being related to their ability to loosen their monetary policy when most needed, thereby avoiding deflation scares and the zero lower bound on interest rates.

Saturday, December 11, 2010

Dedicação ou preguiça?

Hoje deixei de ir à academia me exercitar de manhã para trabalhar em um parecer complicado.

Monday, December 6, 2010

Produção industrial em 51 países

Um dos meus gráficos favorites em meu artigo sobre o desempenho dos países que adotam o regime de metas de inflação desde a crise está logo abaixo. A linha azul representa a mediana de 23 países com IT (exemplos: Brasil, Chile, Austrália, Reino Unido) e a linha preta o mesmo para países que adotam outros regimes monetários (Argentina, Alemanha, Japão etc).

Raposas no quintal

Alguns anos atrás, eu estava na cozinha de casa, de repente olhei pela janela e havia três raposinhas brincando e uma raposa adulta observando. Quando eu busquei minha câmera, só havia duas raposas, mas consegui capturar este vídeo.

Sunday, December 5, 2010

Inflation Targeting paper: new installment

I have just updated my January 2010 IMF Working Paper with data available through November and this Tuesday I will present it at the Macroeconomics seminar of Johns Hopkins University.

The results in this version of the paper are very striking and I have not fully understood their meaning (is it luck? Is it monetary policy? Or some omitted variable?). There seems to be a positive effect of an inflation targeting regime on economic performance since August 2008. This effect is robust to controlling for several variables that the literature has established as important determinants of post-crisis economic performance (short-term external debt to GDP, post-crisis changes in terms of trade and pre-crisis growth in private credit and current account balance).

Comments are welcome. The link is here.

Inflation Targeting and the Crisis: An Empirical Assessment
Irineu de Carvalho Filho
December 3, 2010

Abstract:
This paper appraises how inflation targeting countries fared during the current crisis relative to their peers, thereby establishing the stylized facts to guide and motivate future research. Since August 2008, IT countries lowered nominal and real policy rates than other countries; were less likely to face deflation scares; and IT currencies depreciated sharply in real terms but their risk assessment by markets did not deteriorate. I could not find any difference in unemployment dynamics but advanced IT countries had stronger industrial production growth. Finally, I estimated a reduced form econometric model for the post-crisis change in GDP growth rates, finding a positive effect of IT. This effect is robust to inclusion of other determinants of growth performance after the crisis, such as short-term external debt to GDP, the growth performance of trading partners, post-crisis changes in terms of trade and pre-crisis growth in private credit and current account balance.

UPDATE:When preparing my seminar presentation, I combed through the data and caught a few data mistakes (for one major country I had read the nominal instead of real GDP series). Therefore I spent the last few hours updating the tables and charts. No change in the message though. The link to the file takes you to the updated paper.

Monday, November 22, 2010

Mais Dominica

Uma das peculiaridades mais interessantes de Dominica é sua reserva indígena, creio que seja o último reduto indígena no Caribe. Não fotografei os Kalinago (como são chamados os índios caribes), por respeito. Esta foto foi tirada na estrada que cruza a reserva, que como todo o resto da ilha, é um oásis verdejante capaz de impressionar até brasileiro.


Quando saímos da reserva Carib, parei na beira da estrada para assistir uma partida de críquete. Não tirei foto da platéia, talvez uma centena (em sua maioria mulheres, idosos e crianças), que assistia ao jogo comendo churrasco de frango enquanto um auto-falante tocava música caribenha.

Monday, November 8, 2010

Dominica, maio de 2007

Em maio de 2007, eu estive em Dominica, o país do Caribe, membro da ALBA.
Esta foto foi tirada de uma janela do Ministério da Fazenda.
Ao fundo, um estádio de críquete recém-construído a fundo perdido pelo governo chinês.

Wednesday, October 20, 2010

Boas novas: Meu artigo sobre o trabalho infantil aceito pelo EDCC

Meu artigo Household Income As A Determinant of Child Labor and School Enrollment in Brazil: Evidence From A Social Security Reform acabou de ser aceito pelo Economic Development and Cultural Change.

Mais do que a publicação em si, a equipe editorial desta revista – editor, editor associado e pareceristas – merece meus parabéns. O artigo a ser publicado é muito melhor do que a versão original que eu escrevi muitos verões atrás, graças a comentários construtivos ainda que brutais do editor associado e pareceristas.

Marolinha

Passaram-se quase 2 anos e a produção industrial ainda não conseguiu ultrapassar o nível pré-marolinha.

Sim, poderia estar pior, mas marolinha é uma figura de linguagem bem enganadora como descrição do desempenho da produção industrial brasileira nos últimos 2 anos.

Economia Aplicada

Por muito tempo eu tenho colaborado como parecerista habitual para algumas revistas de economia brasileiras. O Walter Belluzzo, o editor da revista Economia Aplicada, um dia me convidou (ou eu me convidei?) para ser um dos editores associados da revista. Como eu sempre tive vontade de ver o mundo do outro lado do espelho, eu aceitei sem pestanejar e desde setembro tenho exercido essa função.

Uma das atividades mais desgastantes para quem está envolvido em pesquisa acadêmica em economia é a infame ineficiência do processo editorial em, talvez, todas revistas dessa área. Eu já passei por tudo, desde primeiras decisões editoriais mais de um ano após minha submissão até rejeições estapafúrdias (“It is clear from the first paragraph that the authors have an ideological motivation, so I did not even bother reading the remainder of the paper”).

Até agora tenho conseguido que todos os artigos que caíssem no meu colo recebessem uma primeira resposta em menos do que três meses :)

Saturday, October 9, 2010

Artigo sobre desempenho educacional no boletim Economia e Tecnologia

Um dos aspectos mais frustrantes da vida de um economista que faz pesquisa são as longas defasagens existentes entre o momento em que submetemos um artigo para uma revista e finalmente sua aceitação para publicação. No ínterim, as idéias do artigo depreciam e perdem seu impacto.

Por isso gostaria de elogiar a iniciativa do Boletim Economia e Tecnologia que o Luciano Nakabashi da UFPR edita. É um boletim que publica artigos curtos, para um público amplo, onde pesquisadores apressados podem divulgar um aperitivo de seus artigos que mais tarde (anos depois...) podem vir a ser publicados em alguma revista com peer review.

Na última edição, eu e o Renato Colistete apresentamos nosso artigo sobre raízes históricas do desempenho educacional no estado de São Paulo (páginas 103-109).

Monday, October 4, 2010

O Bolsa Família e o voto em Dilma

O Cesar Zucco, que é um politólogo de Princeton a quem procuro quando quero aprender sobre política brasileira, já começou a digerir os números do primeiro turno das eleições presidenciais.


Recomendo. Clique aqui.

Saturday, September 25, 2010

Raghu Rajan gostaria que o Fed estivesse apertando a política monetária

No encontro da Economic History Association em Evanston, Ill., Raghuram Rajan deu a palestra principal no primeiro dia de sessoes, divulgando seu novo livro, Fault Lines.

Mas ele me tirou do sério com o comentário que Ben Bernanke deveria estar aumentando os juros e só não o faz porque sob pressão dos políticos, tão preocupados com o desemprego! Sério, ele falou isso mesmo. Ele realmente acha que frente a uma palpável probabilidade de deflação e desemprego perto dos 10 por cento, o Fed deveria apertar a política monetária!

Sua solução para o problema do desemprego: mais educação. Certamente uma solução razoável para todos os desempregados de 50 anos ou mais...

Wednesday, September 22, 2010

Manifesto em defesa da democracia

Eu apóio o manifesto abaixo.
Se você quiser assinar o abaixo-assinado, pode visitar este link aqui.

Em uma democracia, nenhum dos Poderes é soberano.

Soberana é a Constituição, pois é ela quem dá corpo e alma à soberania do povo.

Acima dos políticos estão as instituições, pilares do regime democrático. Hoje, no Brasil, os inconformados com a democracia representativa se organizam no governo para solapar o regime democrático.

É intolerável assistir ao uso de órgãos do Estado como extensão de um partido político, máquina de violação de sigilos e de agressão a direitos individuais.

É inaceitável que a militância partidária tenha convertido os órgãos da administração direta, empresas estatais e fundos de pensão em centros de produção de dossiês contra adversários políticos.

É lamentável que o Presidente esconda no governo que vemos o governo que não vemos, no qual as relações de compadrio e da fisiologia, quando não escandalosamente familiares, arbitram os altos interesses do país, negando-se a qualquer controle.

É inconcebível que uma das mais importantes democracias do mundo seja assombrada por uma forma de autoritarismo hipócrita, que, na certeza da impunidade, já não se preocupa mais nem mesmo em fingir honestidade.

É constrangedor que o Presidente da República não entenda que o seu cargo deve ser exercido em sua plenitude nas vinte e quatro horas do dia. Não há “depois do expediente” para um Chefe de Estado. É constrangedor também que ele não tenha a compostura de separar o homem de Estado do homem de partido, pondo-se a aviltar os seus adversários políticos com linguagem inaceitável, incompatível com o decoro do cargo, numa manifestação escancarada de abuso de poder político e de uso da máquina oficial em favor de uma candidatura. Ele não vê no “outro” um adversário que deve ser vencido segundo regras da Democracia , mas um inimigo que tem de ser eliminado.

É aviltante que o governo estimule e financie a ação de grupos que pedem abertamente restrições à liberdade de imprensa, propondo mecanismos autoritários de submissão de jornalistas e empresas de comunicação às determinações de um partido político e de seus interesses.

É repugnante que essa mesma máquina oficial de publicidade tenha sido mobilizada para reescrever a História, procurando desmerecer o trabalho de brasileiros e brasileiras que construíram as bases da estabilidade econômica e política, com o fim da inflação, a democratização do crédito, a expansão da telefonia e outras transformações que tantos benefícios trouxeram ao nosso povo.

É um insulto à República que o Poder Legislativo seja tratado como mera extensão do Executivo, explicitando o intento de encabrestar o Senado. É um escárnio que o mesmo Presidente lamente publicamente o fato de ter de se submeter às decisões do Poder Judiciário.

Cumpre-nos, pois, combater essa visão regressiva do processo político, que supõe que o poder conquistado nas urnas ou a popularidade de um líder lhe conferem licença para rasgar a Constituição e as leis. Propomos uma firme mobilização em favor de sua preservação, repudiando a ação daqueles que hoje usam de subterfúgios para solapá-las. É preciso brecar essa marcha para o autoritarismo.

Brasileiros erguem sua voz em defesa da Constituição, das instituições e da legalidade.

Não precisamos de soberanos com pretensões paternas, mas de democratas convictos.

Sunday, September 12, 2010

Education Performance: Was It All Determined 100 Years Ago?

O Caderno G da Gazeta do Povo de Curitiba publicou uma entrevista com o Renato Perim Colistete, meu co-autor no artigo Education Performance: Was It All Determined 100 Years Ago? Leiam vocês mesmos e cheguem às suas conclusões. Eu gostei bastante do texto da matéria, fez justiça a nosso trabalho.

Sunday, September 5, 2010

How Bodo Became Brazilian: European Migration to Southern Brazil Before World War I

Alguns meses atrás eu convenci o Leonardo Monasterio a escrever um artigo comigo sobre os efeitos de longo-prazo da colonização alemã/européia no Rio Grande do Sul (ou foi ele que me convenceu? Eu não me lembro).

Comecei a estudar o assunto, aprendi um bocado com o Leonardo, outro bocado na Library of Congress e nós acabamos escrevendo um artigo sobre os efeitos de longo prazo das colônias oficiais – isto é, as colônias organizadas ou subsidiadas pelo governo federal/imperial ou estadual/provincial naquele estado entre 1824 (data da fundação da colônia São Leopoldo) e a Primeira Grande Guerra.

O Leonardo agora está indo para Paris apresentar o artigo na 3rd International Conference MIGRATION & DEVELOPPEMENT na Paris School of Economics.

Vou postar o artigo em breve.

This paper studies the long-term consequences of the government-sponsored programs of European immigration to Southern Brazil before the Great War. We find that the municipalities closer to the original sites of nineteenth century government sponsored settlements (colônias) have higher per capita income, less poverty and dependence on Bolsa Família cash transfers, better health and education outcomes, and may also have less homicides; and for the areas close to German colonies, also less inequality of income and educational outcomes than otherwise. Since that is a reduced form relationship, we then attempt to identify the relative importance of more egalitarian landholdings and higher initial human capital in determining those outcomes. Our findings are suggestive that more egalitarian land distribution played a more important role than higher initial human capital in achieving the good outcomes associated with closeness to a colônia.

Friday, September 3, 2010

Bem-vindos! Welcome!

Comecei o blog hoje, já preparei uma página com links para minha pesquisa.

Abraços a todos,

Irineu