Saturday, September 25, 2010

Raghu Rajan gostaria que o Fed estivesse apertando a política monetária

No encontro da Economic History Association em Evanston, Ill., Raghuram Rajan deu a palestra principal no primeiro dia de sessoes, divulgando seu novo livro, Fault Lines.

Mas ele me tirou do sério com o comentário que Ben Bernanke deveria estar aumentando os juros e só não o faz porque sob pressão dos políticos, tão preocupados com o desemprego! Sério, ele falou isso mesmo. Ele realmente acha que frente a uma palpável probabilidade de deflação e desemprego perto dos 10 por cento, o Fed deveria apertar a política monetária!

Sua solução para o problema do desemprego: mais educação. Certamente uma solução razoável para todos os desempregados de 50 anos ou mais...

Wednesday, September 22, 2010

Manifesto em defesa da democracia

Eu apóio o manifesto abaixo.
Se você quiser assinar o abaixo-assinado, pode visitar este link aqui.

Em uma democracia, nenhum dos Poderes é soberano.

Soberana é a Constituição, pois é ela quem dá corpo e alma à soberania do povo.

Acima dos políticos estão as instituições, pilares do regime democrático. Hoje, no Brasil, os inconformados com a democracia representativa se organizam no governo para solapar o regime democrático.

É intolerável assistir ao uso de órgãos do Estado como extensão de um partido político, máquina de violação de sigilos e de agressão a direitos individuais.

É inaceitável que a militância partidária tenha convertido os órgãos da administração direta, empresas estatais e fundos de pensão em centros de produção de dossiês contra adversários políticos.

É lamentável que o Presidente esconda no governo que vemos o governo que não vemos, no qual as relações de compadrio e da fisiologia, quando não escandalosamente familiares, arbitram os altos interesses do país, negando-se a qualquer controle.

É inconcebível que uma das mais importantes democracias do mundo seja assombrada por uma forma de autoritarismo hipócrita, que, na certeza da impunidade, já não se preocupa mais nem mesmo em fingir honestidade.

É constrangedor que o Presidente da República não entenda que o seu cargo deve ser exercido em sua plenitude nas vinte e quatro horas do dia. Não há “depois do expediente” para um Chefe de Estado. É constrangedor também que ele não tenha a compostura de separar o homem de Estado do homem de partido, pondo-se a aviltar os seus adversários políticos com linguagem inaceitável, incompatível com o decoro do cargo, numa manifestação escancarada de abuso de poder político e de uso da máquina oficial em favor de uma candidatura. Ele não vê no “outro” um adversário que deve ser vencido segundo regras da Democracia , mas um inimigo que tem de ser eliminado.

É aviltante que o governo estimule e financie a ação de grupos que pedem abertamente restrições à liberdade de imprensa, propondo mecanismos autoritários de submissão de jornalistas e empresas de comunicação às determinações de um partido político e de seus interesses.

É repugnante que essa mesma máquina oficial de publicidade tenha sido mobilizada para reescrever a História, procurando desmerecer o trabalho de brasileiros e brasileiras que construíram as bases da estabilidade econômica e política, com o fim da inflação, a democratização do crédito, a expansão da telefonia e outras transformações que tantos benefícios trouxeram ao nosso povo.

É um insulto à República que o Poder Legislativo seja tratado como mera extensão do Executivo, explicitando o intento de encabrestar o Senado. É um escárnio que o mesmo Presidente lamente publicamente o fato de ter de se submeter às decisões do Poder Judiciário.

Cumpre-nos, pois, combater essa visão regressiva do processo político, que supõe que o poder conquistado nas urnas ou a popularidade de um líder lhe conferem licença para rasgar a Constituição e as leis. Propomos uma firme mobilização em favor de sua preservação, repudiando a ação daqueles que hoje usam de subterfúgios para solapá-las. É preciso brecar essa marcha para o autoritarismo.

Brasileiros erguem sua voz em defesa da Constituição, das instituições e da legalidade.

Não precisamos de soberanos com pretensões paternas, mas de democratas convictos.

Sunday, September 12, 2010

Education Performance: Was It All Determined 100 Years Ago?

O Caderno G da Gazeta do Povo de Curitiba publicou uma entrevista com o Renato Perim Colistete, meu co-autor no artigo Education Performance: Was It All Determined 100 Years Ago? Leiam vocês mesmos e cheguem às suas conclusões. Eu gostei bastante do texto da matéria, fez justiça a nosso trabalho.

Sunday, September 5, 2010

How Bodo Became Brazilian: European Migration to Southern Brazil Before World War I

Alguns meses atrás eu convenci o Leonardo Monasterio a escrever um artigo comigo sobre os efeitos de longo-prazo da colonização alemã/européia no Rio Grande do Sul (ou foi ele que me convenceu? Eu não me lembro).

Comecei a estudar o assunto, aprendi um bocado com o Leonardo, outro bocado na Library of Congress e nós acabamos escrevendo um artigo sobre os efeitos de longo prazo das colônias oficiais – isto é, as colônias organizadas ou subsidiadas pelo governo federal/imperial ou estadual/provincial naquele estado entre 1824 (data da fundação da colônia São Leopoldo) e a Primeira Grande Guerra.

O Leonardo agora está indo para Paris apresentar o artigo na 3rd International Conference MIGRATION & DEVELOPPEMENT na Paris School of Economics.

Vou postar o artigo em breve.

This paper studies the long-term consequences of the government-sponsored programs of European immigration to Southern Brazil before the Great War. We find that the municipalities closer to the original sites of nineteenth century government sponsored settlements (colônias) have higher per capita income, less poverty and dependence on Bolsa Família cash transfers, better health and education outcomes, and may also have less homicides; and for the areas close to German colonies, also less inequality of income and educational outcomes than otherwise. Since that is a reduced form relationship, we then attempt to identify the relative importance of more egalitarian landholdings and higher initial human capital in determining those outcomes. Our findings are suggestive that more egalitarian land distribution played a more important role than higher initial human capital in achieving the good outcomes associated with closeness to a colônia.

Friday, September 3, 2010

Bem-vindos! Welcome!

Comecei o blog hoje, já preparei uma página com links para minha pesquisa.

Abraços a todos,

Irineu