Tuesday, December 27, 2011

Is Dutch Disease a matter of choice? [Up for debate]

The subject of Dutch disease has been central to the debate of Brazilian macroeconomists and policymakers at least since commodities prices started to rise during the last decade. I believe that much of this debate is misguided, as it ignores some macro-financial interactions of great importance.

My thesis is that how the booming sector accumulates wealth is crucial to understand the consequences to the rest of the economy.

Let’s say there is a booming sector whose present income is above its permanent income (say, soy producers) and which is attempting to transfer purchasing power from the present to the future (i.e. to save).

For the sake of illustration, let’s assume that the only form of accumulating wealth was the purchase of an asset in fixed supply, such as land. Then the attempt of transferring purchasing power from the present to the future would bid up land prices and landowners would capture much of the increase in national wealth. In other words, we get a housing/land prices boom.

Now let’s introduce financial intermediaries. The booming sector now can save by purchasing assets issued by financial intermediaries who will lend the booming sector resources to sectors of the economy willing to dissave to expand their consumption or investment. In other words, the attempt to save by the booming sector fuels a credit (financial intermediation) boom.

Then notice that my argument does not mention at any point that the increased income in the booming sector is related to exports. The effort by the booming sector to save is the mechanism that causes the increase in financial intermediation or the spike in land and housing prices.

But increases in financial intermediation are also often associated with deterioration in credit quality, excessive leveraging and enhanced risk of a financial crisis. For those of us who are more inequality averse, rising land prices are a negative as the poor tend to be land-poor. It is up to policymakers to avoid the housing bubble and credit boom. It is obvious that goods and services in Brazil are excessively expensive, and for many observers, that is both cause and symptom of the loss in competitiveness that afflicts some sectors of the Brazilian economy (more noticeably, the most labor intensive sectors of manufacturing).

My point is that the key for the solution to this problem is to isolate the domestic economy from the consequences of the attempt to save by the booming sector and this can be accomplished by allowing the booming sector access to external assets, i.e., by letting the windfall leak out.

How then can policymakers make the windfall more likely to leak out? This can be done through a multi-pronged strategy.

First and foremost for the case of Brazil, access to external assets should be democratized, i.e. let soy farmers buy Apple stock on an online broker, this simple.

Second, regulations governing pension funds and institutional investors ought to lose their bias towards domestic assets. That would require a major reform and disturb powerful vested interests, but the benefits of such reform would go much farther than just macroeconomic management.

Third, let imports in! That sounds contradictory, but the more cars we import for China (and we import very little), the smaller will be the tendency of Real appreciation, and the more competitive will be our import competing industries.

But has this ever been tried? Yes, it has been tried and successfully. Chile has faced rising copper prices for the last decade, yet our finance- and trade-liberated cousins have avoided real appreciation. And just in case someone asks, they have also grown faster too.

Saturday, October 22, 2011

Risk-off episodes: déjà vu all over again?

Movements in exchange rates during periods of increased market volatility seem to repeat similar patterns. In the chart below, I show the cross-section of depreciation rates relative to the US dollar for the periods immediately after the Lehman failure in 2008 and the most recent increase in market volatility.

In both episodes, the yen strengthened and practically all the currencies of advanced and emerging economies weakened relative to the US dollar. Some emerging currencies (Brazilian real, Polish zloty, South African rand, Mexican peso, Korean won) stood among those with the largest depreciations in both episodes. My goal now is to understand why.

Thursday, October 13, 2011

28+ months later

Today I updated my panel data set with quarterly GDP up to the second quarter of 2011. Adding more data only strengthens my finding that IT countries have performed better than their peers since the global financial crisis.

Friday, August 26, 2011

Antonio Barros de Castro e o Brasil de 1610

Eu nunca tive a oportunidade de conhecer o Antonio Barros de Castro. Li a Economia Brasileira em Marcha Forçada durante a graduação e lembro que gostei. Teria que ler de novo porque mal me lembro do que se trata, e não faço a mínima ideia do que esperar de uma segunda leitura depois de 20 anos.

Ao saber de seu falecimento - que desperdício! - encomendei o Marcha Forçada no empréstimo entre bibliotecas pelo Fundo e fui ao google scholar procurar por amostras de sua obra. Confesso que não me animei muito a ler os trabalhos mais recentes e não concordo com partes do argumento do artigo sobre o crescimento do Brasil em um mundo sino-cêntrico (em uma edição recente da Revista de Economia Política).

Mas encontrei uma pérola: seu artigo na PPE, "Brasil, 1610: mudanças técnicas e conflitos sociais". Neste artigo, ABC narra e documenta uma transformação tecnológica que reduziu o custo de operação de um engenho de cana de açúcar, durante as primeiras décadas do século XVII, que teria quebrado o monopólio natural dos engenhos movidos a força hidráulica, erodido o poder de barganha dos senhores de engenho, e reduzido a distância social e econômica entre os senhores de engenho e os lavradores (isto é, plantadores de cana, que em geral também possuíam escravos, mas não tinham o capital para adquirir um engenho). Poderia escrever mais sobre aquele artigo, mas acho que não faria mérito ao trabalho de Barros de Castro: portanto, leiam o original.

Tuesday, August 23, 2011

Artigo com o Leonardo Monasterio sobre colônias gaúchas publicado pelo RSUE

Nosso artigo sobre as consequências de longo-prazo do programa de colonização do Rio Grande do Sul  foi aceito para publicação pelo Regional Studies and Urban Economics.

Neste artigo, nós nos beneficiamos da pesquisa do Fernando Korndörfer, que compilou uma lista de colônias no Rio Grande do Sul, assim como da obra de autores como Jean Roche e Teodor Amstad, para identificar os municípios atuais que foram sedes de colônias de imigrantes subsidiadas pelas diferentes esferas do governo brasileiro.

Nós encontramos em geral que os municípios mais próximos das colônias subsidiadas, fundadas entre 1824 e a primeira guerra mundial, hoje em dia têm em geral melhores indicadores econômicos e sociais que os outros municípios do Rio Grande do Sul.

Quando tentamos explicar a causa deste melhor desempenho sócio-econômico, nós tentamos avaliar a importância de duas hipóteses não excludentes: colônias podem ter melhor performance porque tinham uma distribuição mais igualitária da terra ou porque os imigrantes tinham melhor capital humano que os outros habitantes do Rio Grande do Sul. A evidência, ainda que circunstancial, favorece a hipótese da importância da distribuição igualitária da terra.

No futuro seria interessante estender essa linha de pesquisa para outras regiões do Brasil: Existem outros experimentos de distribuição igualitária de terra no Brasil do século XIX? A colonização do estado do Espírito Santo parece ser um caso interessante a ser estudado no futuro.

Assim diz o resumo:

This paper studies the long-term consequences of the government-sponsored programs of European immigration to Southern Brazil before the Great War. We find that the municipalities closer to the original sites of nineteenth century government sponsored settlements (colônias) have higher per capita income, less poverty and dependence on Bolsa Família cash transfers, better health and education outcomes; and for the areas close to German colonies, also less inequality of income and educational outcomes than otherwise. Since that is a reduced form relationship, we then attempt to identify the relative importance of more egalitarian landholdings and higher initial human capital in determining those outcomes. Our findings are suggestive that more egalitarian land distribution played a more important role than higher initial human capital in achieving the good outcomes associated with closeness to a colônia.

Monday, August 1, 2011

Artigo sobre o mito da estagnação econômica pós-reforma aceito no JDE

Meu artigo com o Marcos Chamon sobre o viés nos indices de inflação durante períodos de reforma econômica no Brasil e no México, "The Myth of Post-Reform Income Stagnation: Evidence from Brazil and Mexico", foi aceito para publicação no Journal of Development Economics.

O resumo diz:

Economic policies are often judged by a handful of statistics, some of which may be biased during periods of change. We estimate the income growth implied by the evolution of food demand and durable good ownership in post-reform Brazil and Mexico, and find that changes in consumption patterns are inconsistent with official estimates of near stagnant incomes. That is attributed to biases in the price deflator. The estimated unmeasured income gains are higher for poorer households, implying marked reductions in “real” inequality. These findings challenge the conventional wisdom that post-reform income growth was low and did not benefit the poor.

Traduzindo: as reformas econômicas dos anos 90 no Brasil e México trouxeram mais benefícios aos consumidores do que podemos inferir a partir de estatísticas agregadas, que seriam viesadas. Tais benefícios foram ainda maiores para as famílias mais pobres.

Thursday, July 14, 2011

My new books

Unemployment Fluctuations and Stabilization Policies: A New Keynesian Perspective (Zeuthen Lectures)
by Jordi Galí

Exchange-Rate Dynamics (Princeton Series in International Economics)
by Martin D. D. Evans

Labor Demand by Daniel S. Hamermesh (Paperback)

Expectations, Employment and Prices
by Roger E.A. Farmer (Hardcover)

Friday, April 22, 2011

Aqui vai o link

Para meu artigo com o Rudolfs Bems sobre contas correntes e poupança precaucional dos exportadores de bens exauríveis: LINK 

Sunday, March 13, 2011

Mais um artigo chegando!

Hoje recebi a aceitação condicional de mais um artigo em um top field journal. Como o editor exigiu que o artigo fosse significativamente reduzido antes de ser publicado (“manda tabela 2 para um apêndice online!”) e estou super ocupado, devo entregar a versão final somente lá por maio. Quando o artigo estiver no website do journal, eu ponho o link aqui.

Friday, March 11, 2011

Um JIE, finalmente!!

Parece que sim, eu tenho meu primeiro JIE... Clique aqui.

Monday, March 7, 2011

28 Meses...

Meu artigo sobre o desempenho dos países com metas de inflação agora está disponível como Working Paper do MPRA: 28 Months Later: How Inflation Targeters Outperformed Their Peers in the Great Recession. Comentários são bem-vindos, principalmente aqueles que chegarem logo!

Resumo:
Twenty-eight months after the onset of the global financial crisis of August 2008, the evidence on post-crisis GDP growth emerging from a sample of 51 advanced and emerging countries is flattering for inflation targeting countries relative to their peers. The positive effect of IT is not explained away by plausible pre-crisis determinants of post-crisis performance, such as growth in private credit, ratios of short-term debt to GDP, reserves to short-term debt and reserves to GDP, capital account restrictions, total capital inflows, trade openness, current account balance and exchange rate flexibility, or post-crisis drivers such as the growth performance of trading partners and changes in terms of trade. We find that inflation targeting countries lowered nominal and real interest rates more sharply than other countries; were less likely to face deflation scares; and had sharp real depreciations without a relative deterioration in their risk assessment by markets. While the task of establishing causal relationships from cross-sectional macroeconomics series is daunting, our reading of this evidence is consistent with the resilience of IT countries being related to their ability to loosen their monetary policy when most needed, thereby avoiding deflation scares and the zero lower bound on interest rates.

Friday, February 25, 2011

PIB per capita X Reservas

Ao contrário do que as teorias sobre maldições de recursos naturais sugerem, existe uma forte correlação positiva entre o valor de reservas de petróleo e gás natural per capita e o nível da PIB per capita (vide gráfico abaixo com dados de renda per capita PPP do IMF/WEO e reservas de petróleo e gás da British Petroleum, para países com mais de 200 barris de petróleo equivalente per capita em 1990).

É interessante notar quem está acima e abaixo da linha de regressão.

The current account behavior of oil exporters

My paper - with Rudolfs Bems - on precautionary savings and the current account behavior of exporters of exhaustible resources was accepted yesterday for the Journal of International Economics.

The Current Account and Precautionary Savings for Exporters of Exhaustible Resources (with Rudolfs Bems).
2009. IMF Working Paper 09/33 (that is the updated version, presented at Oxford Centre for the Analysis of Resource Rich Economies 4th Annual Conference, September 15-16 2010). The final version, available upon request, is forthcoming at the Journal of International Economics.  
Exporters of exhaustible resources have historically exhibited higher income volatility than other economies, suggesting a heightened role for precautionary savings. This paper uses a parameterized small open economy model to quantify the role of precautionary savings in economies with exhaustible resources, when the only source of uncertainty is the price of the exhaustible resource. Results show that the precautionary motive can generate sizable external sector savings. When aggregated over the sample countries, precautionary savings in 2006 add up to 3.2 percent of GDP. The quantitative importance of the precautionary motive varies considerably across the sample countries and is driven primarily by the weight of exhaustible resource revenues in future income. The parameterized model fares well at capturing current account balances in both cross-section and time-series data.

Friday, February 18, 2011

A duradoura abertura brasileira ao investimento direto estrangeiro

Desde o Plano Real e a presidência de FHC, houve uma abertura da conta de capitais no Brasil que, apesar da retórica de alguns políticos, não foi revertida durante os 8 anos do governo Lula.

Abaixo, vocês podem ver a série de investimento estrangeiro direto como fração do PIB no Brasil – dados trimestrais, dessazonalizados, do banco de dados IFS (usando o PIB em USD do World Economic Outlook):


É difícil ser mais eloqüente que este gráfico que mostra o colapso do IDE durante os anos 80, sua retomada depois do Plano Real, seu pico coincidindo com o período das privatizações e sua estabilização a um nível superior aos níveis pré-Plano Real desde 2002.

Vejamos agora nosso vizinho do Norte:

Saturday, February 12, 2011

Estou lendo agora...

The Cold War: A New History, por John Lewis Gaddis
The Cold War: A New History

 



Livro muito bem escrito, sem grandes surpresas para quem gosta de ler sobre este assunto, mas impressionante pela capacidade de sintese do autor.

Wednesday, February 9, 2011

Conselhos para jovens acadêmicos

1. A comunidade acadêmica é pequena nos EUA, minúscula no Brasil. Todos se conhecem, ninguém esquece.

2. Convites para dar parecer para revistas acadêmicas não devem ser recusados.

3. Exceções para o item 2 se aplicam se: (1) você já é um pesquisador estabelecido como estrela em seu campo de atuação; (2) você já desempenha outra tarefa para a revista que o convidou; ou (3) se o tema do artigo for completamente fora de sua área de especialização.

4. Responda seus e-mails prontamente. Cumpra seus prazos religiosamente. Ver item 1.

5. Se você realmente domina o seu campo de atuação, na maior parte dos casos, não vai precisar mais do que umas poucas horas de trabalho para preparar 2-3 páginas de comentários. Se receber a oportunidade, demonstre aos editores da revista que você realmente domina seu campo de atuação entregando seu parecer em menos do que 72 horas.

6. Nunca é demais repetir: A comunidade acadêmica é pequena nos EUA, minúscula no Brasil. Todos se conhecem, ninguém esquece.

Saturday, February 5, 2011

O mito da estagnação pós-reformas

Já faz um tempo que eu escrevi com o Marcos Chamon um artigo argumentando que problemas no cálculo dos índices de preço são exacerbados após episódios em que existe mudança estrutural como as reformas liberalizantes no Brasil da década de 90, portanto causando um viés para baixo nas medidas de crescimento da renda real.

Por exemplo, em períodos de liberalização econômica, novos bens são introduzidos com mais intensidade do que em outros tempos, portanto os pesos do índice de preços ao consumidor (IPC) ficariam defasados mais rapidamente.

Também é o caso que muitos bens introduzidos pela primeira vez não fazem parte do IPC, somente sendo introduzidos depois que seus preços caíram (exemplo: computadores só entraram no IPC do Brasil depois da segunda metade dos anos 90).

Leia o artigo. Agora. Sim, isso mesmo.

Apresentamos este artigo em vários seminários e depois incorporamos uma análise similar para o México.

Semana passada, depois de mais uma revisão a pedido de pareceristas, nós fechamos uma nova versão do artigo com os resultados para o Brasil e o México e ‘publicamos’ no MPRA: “The myth of post-reform income stagnation: Evidence from Brazil and Mexico.” 

Resumo:
Economic policies are often judged by a handful of statistics, some of which may be biased during periods of change. We estimate the income growth implied by the evolution of food demand and durable goods ownership in post-reform Brazil and Mexico, and find that changes in consumption patterns are inconsistent with official estimates of near stagnant incomes. That is attributed to biases in the price deflator. The estimated unmeasured income gains are higher for poorer households, implying marked reductions in “real” inequality. These findings challenge the conventional wisdom that post-reform income growth was low and did not benefit the poor.

Wednesday, February 2, 2011

Jogo dos erros: Egito

O Egito é um país pobre de recursos naturais, localizado em uma região estratégica, com alto desemprego e grande desigualdade. Correto?

Não! Apesar de ser um país de renda per capita mais baixa que o Brasil, o Egito tem índices de desigualdade significativamente mais baixos do que os nossos. O índice de GINI, que mede desigualdade e vai de 0 (total igualdade) a 1 (total desigualdade), era 0.55 para o Brasil em 2007 e 0.32 para o Egito em 2005 (Fonte: World Bank/WDI).

Mas o Egito padece de uma economia com falta de dinamismo, estagnada, diferente da economia brasileira! Correto?

Não! Vide o gráfico abaixo para o crescimento acumulado do PIB de 1979 a 2010 para o Egito e o Brasil. Não há duvida alguma que nos últimos 30 anos o PIB do Egito cresceu mais rápido que o brasileiro (Fonte: IMF/WEO de outubro de 2010).


Mais que isso: Enquanto o Brasil cresceu aproximadamente 4% ao ano nos últimos 8 anos, o Egito cresceu 5.3% no mesmo período (Fonte: IMF/WEO de outubro de 2010, dados preliminares para 2010).

UPDATE

Os dados per capita nao mudam a mensagem:

Saturday, January 29, 2011

Vivendo e aprendendo: Tragedy of the commons na econometria IV

Hoje eu tive uma surpresa agradável lendo o artigo “Economics, History, and Causation”, por Randall Morck and Bernard Yeung. Recomendo a leitura do artigo.

Os autores argumentam a favor de mais interação entre história e economia (nada especial aqui), mas um insight que eles apresentaram me pegou de surpresa.

Existiria um problema de tragedy of the commons afetando o uso de variáveis instrumentais advindas da história para a pesquisa econômica.

Tentando resumir concisamente: toda a vez que uma variável é usada com sucesso como instrumento, cria-se um problema de variável latente para todos os outros possíveis usos desta variável, passados e futuros.

Por exemplo, como Acemoglu, Johnson e Robinson (AJR) usaram a mortalidade dos colonos europeus como instrumento para a qualidade das instituições nas ex-colônias, então qualquer outro artigo que use este instrumento também deve usar a medida de qualidade de instituições como um controle adicional! Pior que isso: se algum artigo subseqüente descobrir que a mortalidade dos colonos é um bom instrumento para, digamos, produtividade agrícola, então produtividade agrícola torna-se uma variável latente na especificação de AJR!

Friday, January 14, 2011

SOS Vale do Cuiabá

Eu recebi o pedido de ajuda às vítimas da catástrofe do Vale do Cuiabá em um e-mail do José Roberto Afonso, que é um cara que eu apóio 200% (100% confiável + 100% competente). Se você puder colaborar, não pense duas vezes.

SOS Vale do Cuiabá é uma iniciativa para ajudar no socorro e recuperação especificamente do distrito de Itaipava/Petrópolis que foi devastado no último 11 de janeiro.

Órgãos públicos, ONGs e famílias já estão prestando apoiando valioso - com alimentação, roupas, e assistência médica. Mas existem outras necessidades e, o principal, que devem mudar a cada momento. Por exemplo, na manhã de 14/1, faltam mais máquinas/tratores para limpeza de rios e ruas e minigeradores para localidades ainda sem luz. No futuro, podem ser necessárias organizar frentes de trabalho e de creches para crianças das regiões. Por isso, o pedido de apoio financeiro.

A AMOBEC - Associação Moradores Boa Esperança e Cuiabá, presidida por Lairton T.Carvalho, está pedindo doações. Amigos da região, como José Roberto Afonso e Andreia Gouveia Vieira, e outros que deverão vir a participar, estarão acompanhando a aplicação dos recursos.

Balanço das compras feitas com doações será divulgado pela internet, assim como outras notícias serão divulgadas no twitter e no facebook em: SOSValeCuiaba.

Doações no: Banco do Brasil, agência 3159-3, conta 312491-6, CNPJ 01.668.507/0001-80, em favor de AMOBEC Associação Moradores Boa Esperança Cuiabá.

Se puder repassar aos seus amigos este pedido, agradecemos desde já.

Os efeitos de longo-prazo da imigração subsidiada para o Rio Grande do Sul

Meu artigo com o Leonardo Monasterio (aquele do famoso blog) sobre as colônias gaúchas do século XIX está pronto e depositado no MPRA.

O artigo é “Immigration and the origins of regional inequality: Government-sponsored European migration to Southern Brazil before World War I”.

Seu título original era "How Bodo Became Brazilian: European Migration to Southern Brazil Before World War I", mas foi abandonado depois que o Leonardo apresentou o artigo em uma conferência na Paris School of Economics, e recebemos críticas por nossa ignorância que o proverbial Bodo era um camponês franco, e não germânico.

O resumo diz:

This paper studies the long-term consequences of the government-sponsored programs of European immigration to Southern Brazil before the Great War. We find that the municipalities closer to the original sites of nineteenth century government sponsored settlements (colônias) have higher per capita income, less poverty and dependence on Bolsa Família cash transfers, better health and education outcomes; and for the areas close to German colonies, also less inequality of income and educational outcomes than otherwise. Since that is a reduced form relationship, we then attempt to identify the relative importance of more egalitarian landholdings and higher initial human capital in determining those outcomes. Our findings are suggestive that more egalitarian land distribution played a more important role than higher initial human capital in achieving the good outcomes associated with closeness to a colônia.

Tuesday, January 11, 2011

Minhas últimas aquisições: Wirth e Hilton

Eu gosto bastante da pesquisa do Stanley Hilton (que eu já conhecia de ler seu artigo sobre o papel dos militares na industrialização brasileira). Já o John D. Wirth é um autor que conhecia apenas de citações, mas nunca havia lido antes. Estou lendo o “The Politics...” agora.

The Politics of Brazilian Development, 1930-1954
John D. Wirth (Author)

The Oil Business in Latin America: The Early Years
John D. Wirth (Editor)

Hitler's Secret War in South America, 1939-1945
Stanley E. Hilton (Author)

Brazil and the Great Powers, 1930-1939
Stanley E. Hilton (Author)