Tuesday, August 23, 2011

Artigo com o Leonardo Monasterio sobre colônias gaúchas publicado pelo RSUE

Nosso artigo sobre as consequências de longo-prazo do programa de colonização do Rio Grande do Sul  foi aceito para publicação pelo Regional Studies and Urban Economics.

Neste artigo, nós nos beneficiamos da pesquisa do Fernando Korndörfer, que compilou uma lista de colônias no Rio Grande do Sul, assim como da obra de autores como Jean Roche e Teodor Amstad, para identificar os municípios atuais que foram sedes de colônias de imigrantes subsidiadas pelas diferentes esferas do governo brasileiro.

Nós encontramos em geral que os municípios mais próximos das colônias subsidiadas, fundadas entre 1824 e a primeira guerra mundial, hoje em dia têm em geral melhores indicadores econômicos e sociais que os outros municípios do Rio Grande do Sul.

Quando tentamos explicar a causa deste melhor desempenho sócio-econômico, nós tentamos avaliar a importância de duas hipóteses não excludentes: colônias podem ter melhor performance porque tinham uma distribuição mais igualitária da terra ou porque os imigrantes tinham melhor capital humano que os outros habitantes do Rio Grande do Sul. A evidência, ainda que circunstancial, favorece a hipótese da importância da distribuição igualitária da terra.

No futuro seria interessante estender essa linha de pesquisa para outras regiões do Brasil: Existem outros experimentos de distribuição igualitária de terra no Brasil do século XIX? A colonização do estado do Espírito Santo parece ser um caso interessante a ser estudado no futuro.

Assim diz o resumo:

This paper studies the long-term consequences of the government-sponsored programs of European immigration to Southern Brazil before the Great War. We find that the municipalities closer to the original sites of nineteenth century government sponsored settlements (colônias) have higher per capita income, less poverty and dependence on Bolsa Família cash transfers, better health and education outcomes; and for the areas close to German colonies, also less inequality of income and educational outcomes than otherwise. Since that is a reduced form relationship, we then attempt to identify the relative importance of more egalitarian landholdings and higher initial human capital in determining those outcomes. Our findings are suggestive that more egalitarian land distribution played a more important role than higher initial human capital in achieving the good outcomes associated with closeness to a colônia.

4 comments:

  1. A minha perspectiva sobre o Sul do país amarra-se ao periodo colonial. Foi adotada, pelos portugueses coloniais, uma estratégia completamente diferente de ocupação da região sul das demais regiões do Brasil. O ponto central estaria na defesa da fronteira ao Sul do Brasil. O desdobramento dessa política de ocupação certamente se refletiu, tomando em consideração as poucas estatísticas que conheço (Corcino Medeiros dos santos - brasiiana 379) na distribuição equitativa da terra. Claro, a consequencia desse padrão poderia ser algo virtuoso, sabendo que os ricos proliferavam tanto ou quase tanto quanto os pobres, com a diferença importante na taxa de mortalidade. Entretanto, sabemos que hoje a situação, relativamente ao passado, tendo como base aquela distribuição de propriedade, é muito pior. Então a pergunta interessante seria: em que ponto do tempo se deu a inflexão e quais as políticas ou eventos que condicionaram essa mudança. Especulativamente, dou o meu chute: com a ditadura militar que promove a prática do subsidionismo e concentração bancária.

    Pelo que pude depreender do texto, vocês estão analisando outro ponto, até porque a imigração original do rio grande do sul estava ancorada em portugueses dos açores e cariocas.

    ReplyDelete
  2. Existe alguma versão deste texto em português? Se possível, indique onde foi publicado ou pode ser conseguido.

    ReplyDelete
  3. Gostaria de saber se seu texto tem versão em português e onde pode ser conseguido.

    ReplyDelete
  4. Prezado Paulo,
    Diga-me seu e-mail (nao o publicarei, obviamente) e enviarei-lhe o artigo.
    Irineu

    ReplyDelete