Monday, January 11, 2016

Brasil vs Polônia: adivinha quem cresce mais rápido?

No longo prazo, ganha a corrida quem consegue evitar crises ainda que o crescimento não seja espetacular todo ano.

Vejam essa comparação entre Brasil e Polônia desde 1980.

No começo do período, os países tinham praticamente a mesma renda per capita (medida em dólares PPP, fonte WEO). Entretanto, as duas economias divergiram a partir de 1995.



Curiosamente, em 1994 foi publicado o livro The Market Meets its Match, da Alice Amsden (orientadora do Mansueto), Jacek Kochanowicz e Lance Taylor (orientador do Nelson Barbosa). Este livro trazia uma dura crítica das terapias de choque nos países ex-comunistas do Leste Europeu. O teste do tempo foi cruel com este livro.

Na segunda metade da década de 90, enquanto a Polônia abraçava a abertura de mercado, nós aumentávamos as tarifas alfandegárias para automóveis que até hoje sustentam a ineficiência de nossa indústria e geram o lucro para os acionistas da Volks, Fiat e outras.

Para manter o atraso, já no século 21, descobrimos que não precisávamos mais fazer reformas (“reformas, para quem?”) e paramos no tempo, ossificados.

Olhando de ano a ano, é difícil reconhecer as diferenças de crescimento. Mas com um horizonte de décadas, a pintura é bem clara: alguns têm Lech Walesa, outros têm Luís Inácio.

Pode ser que nós não tivéssemos conseguido manter o pique dos poloneses, afinal somos vizinhos da Argentina e não da Alemanha. Mas não consigo me convencer que uma renda per capita de 20 mil dólares per capita não estaria a nosso alcance se tivéssemos adotado políticas econômicas que privilegiassem a abertura de mercados (para ganhar produtividade) e a sustentabilidade fiscal (para evitar crises).

1 comment: